ADVENTIA PHARMA, vitamina A, sódio e uma pitada de azeite

2 de Setembro de 2019

A empresa de nutrição clínica aprimora seus batidos com ingredientes de cozinha.

Com azeite de oliva extra virgem, aromatizado com frutas vermelhas, arroz doce, biscoito, etc. À primeira vista, pode parecer uma propaganda de sorvete, mas é sobre produtos de nutrição clínica (shakes, suplementos alimentares, etc.) para pacientes e avós da Adventia Pharma, empresa que até mesmo foi a causa da mudança de um decreto real de nutrição dietética em 2014.

Esta empresa canária desembarcou neste mercado no meio de um furo imobiliário, em 2010, porque no meio da crise e ricocheteou no mundo da construção decidiram dar uma guinada nos negócios. “Como não eram drogas, de acesso mais difícil, tinham maior possibilidade de financiamento bancário”, diz Alfonso Almeida, diretor geral e arquiteto do projeto, junto com o fundador, José Javier Díaz Ortega, agora entusiasmado porque eles já protege o mais grande.

Este era “um mercado rico e estático em inovação”, dominado por quatro multinacionais, Nestlé, Nutricia (Danone), Abott e Fresenius, que detinham 80% do mercado. Mas por que pacientes com câncer ou idosos sempre têm que beber shakes com os mesmos sabores ?, perguntaram-se os dois kamikazes, entre muitas outras coisas. Eles queriam fazer algo diferente e alcançar uma fatia de mercado razoável, hoje 4%, mas em dois anos 7%.

“Queríamos apenas fazer produtos com maior qualidade, e não mexemos no preço porque são fixados pelo Estado, pois todos vão para o Sistema Único de Saúde”, esclarece Almeida, “e embora os nossos custos de produção sejam mais elevados, nós não vender mais caro ".

Ele reconhece que não tem sido fácil para eles serem levados a sério, nem mesmo a competição, porque não tinham experiência. Na verdade, a empresa demorou cinco anos a desenvolver-se e só em 2016 atingiu uma atividade comercial relevante.

Hoje, eles destinam 10% da receita para pesquisa e produção de formulações, graças ao fato de terem se tornado um laboratório farmacêutico. Seu trabalho é acompanhado de perto pela concorrência, “recebemos ataques, eles tentam nossa equipe”, acrescenta. Eles têm 65 funcionários, sendo 45 comerciais e o restante biólogos, farmacêuticos, médicos e técnicos. Uma das primeiras coisas que a Adventia deixou clara foi melhorar a matéria-prima, e conseguiu isso incorporando azeite de oliva extra virgem na parte líquida dos shakes. Foi amplamente aceito porque, diz ele, "eles perguntaram diretamente à comunidade médica sobre as reais necessidades dos pacientes".

Assim como veio de outra realidade, a Adventia também não entendeu que as embalagens de batidos com 36 unidades eram do mesmo sabor. “Conversamos com o Ministério da Saúde e lançamos um sabor misto que não só causou a mudança regulatória na nutrição, mas também causou reclamações de multinacionais abastadas”, que hoje já possuem embalagens de sabores mistos. Além disso, incluiu alguns ampolas de perfume que permitem aos pacientes modular o sabor para frutas vermelhas, biscoitos, pudim de arroz, laranja ou caramelo, principalmente para pacientes com câncer, que alteraram o paladar com a quimioterapia (tudo tem gosto de metal), e para os idosos.

A embalagem também foi revolucionária, optando pelo papelão (ao invés do plástico) graças à colaboração da empresa Tetra Pack, iniciativa que até a Abott já implementou. Agora ela está focada no lançamento de nutrição personalizada totalmente digitalizada.

A LA CARTE E ONLINE, SEU PROJETO VIP

Desde o seu início, o DNA da Adventia tem sido inovação; de fato, durante 2015 e 2016, mais de 10% de sua receita foi usada para pesquisar novos produtos e tecnologias. Taxa que se mantém acima de 5% até hoje. Atualmente, tem dois projetos de I&D que ultrapassam os 1,2 milhões de euros.

Em 2017 começou Alisenoc, seu primeiro projeto, com o apoio do CDTI (Centro de Desenvolvimento Tecnológico Industrial), que o acompanha em sua jornada de pesquisa. O objetivo de Alisenoc é desenvolver um novo alimento médico para pacientes com câncer e conduzir ensaios clínicos. A ideia era fazer uma dieta com novos suplementos nutricionais sensorialmente adequados para esses pacientes, até então "inexistentes no mercado internacional", afirma Alfonso Almeida, seu presidente. Este projeto foi complementado com Sunespro, também apoiado pelo CDTI. Um programa que inclui o desenvolvimento de ssuplementos nutricionais específicos com probióticos para o tratamento dietético de doenças crônicas, como doença renal crônica em hemodiálise e doença de Crohn.

Mas a iniciativa mais ambiciosa é o próximo lançamento do Supranut, que depende da personalização e digitalização. Embora ainda não possam revelar muito sobre o novo projeto, “o objetivo é conseguir uma nutrição a la carte, para que o médico e o paciente possam solicitar os nutrientes necessários para incluir nos shakes de acordo com cada caso em uma plataforma digital”. Já existe uma empresa de ingredientes e uma empresa de embalagens interessadas em participar desse projeto, que a empresa pretende colocar nas mãos da concorrência.

NOVIDADES

Cirurgia. Em junho, a Adventia lançou um suplemento alimentar multivitamínico e mineral para cirurgia bariátrica (Barimix). Seu roteiro inclui a produção de suplementos nutricionais para atletas, mas não em curto prazo.

Exportação. Em 2018 entrou no mercado português e este ano pretende entrar no México, Panamá, Costa Rica e Grécia através de distribuidores.

Produção. Nutrição enteral, tubos, módulos e suplementos alimentares (Bi1) são seus principais produtos. E tem produtos para controle de peso e para pacientes com câncer (Bi1 Preload), e também para os cuidados da pele e mucosas para tratamentos de quimioterapia e radioterapia (Tectum Skincare).

[Entrevista Cinco Días. El País: https://cincodias.elpais.com/cincodias/2019/09/02/companias/1567447363_556807.html]

Para obter mais informações sobre nossos produtos, ligue para nós no telefone (+34) 928 223 717 o info@adventiapharma.com
Copyright © 2024 Adventia Pharma. Todos los derechos reservados.
magnifiercrosschevron-down